O desconhecido e impressionante cavalo Marwari

cavalo marwari

O Rajastão na Índia, é a terra natal do cavalo Marwari e da família de Raghuvendra Singh Dundlod, mais conhecido como Bonnie.

Originalmente uma ramificação da família Real Jaipur, os antepassados de Bonnie viveram na área de Shekhawati desde que lhe foi dado o nome do seu antepassado Rao Shekha. A sua casa de família é um forte do século dezoito em Dundlod.

Os cavalos Marwari, com as suas orelhas distintamente curvadas para dentro, orelhas com forma de liras, tiveram sempre um papel importante na cultura do Rajastão. Na religião Hindu, o cavalo é divino, e a raça Marwari com a sua natureza nobre e imponente, nada faz para se pensar o contrário.

Originalmente trazido para a Índia por Genghis Khan e os seus invasores Mongóis vindos do norte, a raça tomou o nome da região Marwar, que significa literalmente “Terra de morte”, devido à sua inospitalidade e à natureza bélica da sua população. A raça Marwari, foi originalmente criada para a guerra.

Veja o vídeo:

As orelhas do cavalo Marwari de forma única, avisavam o guerreiro de ameaças iminentes durante uma batalha, enquanto que os protegia da nuvem de pó que cobria aquele território. Isto fez com que a raça se tornasse muito resistente e inteligente, conhecida pela sua bravura e energia.

Com uma história tão auspiciosa, é estranho que o cavalo Marwari raramente seja encontrado fora da Índia. Foi durante o colonialismo britânico que o cavalo perdeu o seu estatuto no topo da árvore equina. As autoridades coloniais, ao perceberem que o cavalo era um símbolo de realeza e poder, convenceram os governantes indianos que a raça era um pouco selvagem, demasiado temperamental e energética, e certamente nada adequada para senhoras. Como resultado, o cavalo foi removido dos palácios e propriedades pertencentes à realeza, tendo ficado ao cuidado de tratadores ou guardiões que os levaram para as suas casas.

Depois de 1947, numa época pós-colonial na Índia, a raça não teve melhor sorte com o novo Governo, que via os cavalos como símbolos da era das dinastias. Foi apenas em 1980, quando o conceito de turismo cresceu no Rajastão, e o turismo começou a ver palácios históricos e fortes a abrirem as suas portas para oferecerem um vislumbre de tempos antigos, que famílias como as de Bonnie começaram a procurar os restantes cavalos Marwari para recomeçar mais uma vez o programa de criação.

Depois de tanto tempo na sombra, muitas das características da raça tinham se perdido, mas com o tempo, e o apoio incondicional e encorajamento de pessoas como Bonnie, o Marwari está de volta. A Idigenous Horse Society of India (IHSI) foi criada em 1999 para proteger e melhorar o programa de criação e para assegurar que o cavalo Marwari jamais volte a desaparecer.

Hoje em dia, o turismo é o ponto principal da raça. A linda paisagem do Rajastão aliada à sua cultura de hospitalidade e história, provou ser um grande atrativo para o turismo equestre, tendo o cavalo Marwari feito a sua parte.

No esporte equestre, a raça sempre foi sinônimo de “Tentpegging” – sem ser surpresa que esta também é uma herança bélica – e em tempos mais recentes, viu o sucesso na Índia na Resistência Equestre, com a sua resistência natural e dureza.

Há problemas em exportar o Marwari da Índia, o qual terá de ser superado para poder ter sucesso no esporte equestre mundial, mas Bonnie e os seus colegas da IHSI estão continuamente trabalhando com o governo indiano de modo a superar essas barreiras. O objetivo é devolver a raça Marwari a sua antiga glória num mundo equestre moderno, e eles perceberam que apoiar o esporte equestre é uma maneira para conseguir essa posição e assegurar o futuro do cavalo Marwari. Se a história da raça e a sua reputação no Rajastão é uma coisa para ser considerada, não seria surpreendente ver a raça  competindo em eventos internacionalmente num futuro próximo.

Responder

  1. Sandro Oliveira

    Eu amo essa raça e meu sonho poder um dia ter esse cavalo. Como faço .