WeCreativez WhatsApp Support
Tire suas dúvidas sobre anúncios pelo site ou Aplicativo e responderemos diretamente no seu WhatsApp.
Quer ajuda para anunciar?
Para uma melhor experiência, altere seu navegador para CHROME, FIREFOX, OPERA ou Internet Explorer.
  • Seja Bem-vindo(a) ao MeuHaras!
Investimentos no Cavalo Crioulo

Investimentos no Cavalo Crioulo

Cavalo crioulo em busca de novos investidores

Leilões adotam estratégias para atrair profissionais de outros setores e expandir o cavalo crioulo no país

Qualificar a oferta e atrair profissionais de outros segmentos e de outras regiões do país para investir no cavalo crioulo são algumas das estratégias para turbinar a comercialização na temporada. Enquanto os exemplares de elite têm maior procura e liquidez, chegando a representar 70% do faturamento dos remates da raça, o cenário econômico vem prejudicando a comercialização de “animais menos diferenciados”, segundo o leiloeiro Marcelo Silva.

Adotar ações para conquistar pessoas de áreas não ligadas à agropecuária para que apliquem suas economias em equinos já é uma realidade. Por meio de palestras em corretoras de investimento, a Trajano Silva Remates tem buscado mostrar – em números – que a rentabilidade da raça crioula pode ultrapassar outras aplicações como CDB, CDI e fundos de investimento. Neste caso, em vez de arrematar o animal e levar para a propriedade, o mais comum é comprar cotas de cavalos que são mantidos por criadores.

O vice-presidente de Comunicação e Marketing da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), Onécio Prado Junior, diz que a estratégia começa a ser realidade e aponta que é uma tendência de mercado.

– O cavalo é um ser bonito que atrai as pessoas. As crianças adoram e isso envolve a família – comenta o leiloeiro Fábio Crespo.

Além de divulgar em palestras, a Trajano adotou uma estratégia ousada. Promove, na próxima quarta-feira, em uma mansão na Ilha das Flores, em Porto Alegre, a segunda edição do Leilão Padrillos. A programação do evento, para 280 convidados, contempla jantar, banda de jazz e até DJ, entre outros atrativos. A própria concepção do evento busca atrair outros setores. Foi firmado patrocínio com empresas de segmentos diversos, como imobiliário e automotivo.

A evolução das vendas do Cavalo Crioulo

– A ideia é trazer pessoas que não estão no mercado. Temos a convicção de que vai dar certo – afirma Silva, destacando que já estão confirmadas presenças de convidados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, além de Uruguai, Paraguai e Argentina.

Potencial na pecuária e em provas esportivas

A intenção da ABCCC é atrair novos investidores e expandir a raça nas regiões em que há potencial de uso do equino na pecuária e em provas esportivas. De acordo com Prado Junior, os leilões viabilizam o acesso de profissionais de setores não ligados ao meio rural – em geral advogados e executivos:

– São profissionais liberais que gostam de ter a alternativa do campo como atividade de lazer.

Mercado do Sul consolidado

Em 2018, a expectativa é de estabilidade ou até pequeno acréscimo nas vendas de cavalos em relação a 2017. O leiloeiro Fábio Crespo ressalta que na Expointer há grande procura de criadores do Brasil Central por cavalo crioulo. Crespo considera que há potencial para expansão no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Presidente do Sindicato dos Leiloeiros Rurais do Rio Grande do Sul (Sindiler), Jarbas Knorr avalia que o mercado de cavalos crioulos “está muito bom”, apesar do frete mais caro e da situação política conturbada no país. Ele acredita que a Expointer deste ano seguirá os mesmos patamares da feira de 2017.

– Mas o meu desejo é de que seja melhor. Temos que ser otimistas e superar – projetou Knorr.

Segundo a ABCCC, a comercialização da raça cresceu 41% no ano passado, com faturamento que chegou a R$ 131,82 milhões, considerando as vendas particulares e os animais leiloados (veja tabela ao lado).

Das telas para as pistas 

A atração de investidores de outras áreas não é movimento recente. Há 20 anos, o diretor de televisão e cinema Jayme Monjardim Matarazzo se interessou pela raça crioula. Para ele, “o mundo das provas funcionais” é muito atrativo.

Criação de Cavalo Crioulo

– Não trato o cavalo crioulo como negócio. É uma fonte de prazer. Costumo dizer que crio esculturas em movimento – diz Monjardim.

Para ter rentabilidade, ele acredita que é preciso ter “maturidade da qualidade”, estágio que a Villa Matarazzo se encontra. São 40 éguas de cria em duas fazendas, em Camaquã, no sul do Estado, e em Amparo (SP). Neste ano, seis animais das propriedades disputarão a prova de morfologia. A excelência já é tradição: em edições anteriores do Freio de Ouro, seus cavalos ganharam prata e bronze.




Topo
>