WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para responder às suas perguntas. Pergunte-nos qualquer coisa!
Olá, tudo bem? como posso ajudar?
Para uma melhor experiência, altere seu navegador para CHROME, FIREFOX, OPERA ou Internet Explorer.

Mangalarga Marchador concentra vários criadores em Minas Gerais

Minas Gerais concentra centenas de criadores de mangalarga marchador

Mangalarga Marchador MG

Divinópolis tem a maior parte dos criadores na região. Daniel Borja, presidente da ABCCMM, falou sobre crescimento do mercado.

Na contramão dos prejuízos que afetam vários segmentos produtivos no Brasil, o mercado nacional do cavalo mangalarga marchador espera vender 25% a mais em 2016 na comparação com 2015, quando faturou cerca de R$ 100 milhões. Minas Gerais tem 7.200 criadores registrados na Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador (ABCCMM). O Centro-Oeste de Minas concentra 150 deles.

De acordo com André Henrique Oliveira, presidente de uma associação regional, o setor gera milhares de empregos diretos em áreas como veterinária, transporte, produção e fornecimento de rações e outros insumos.

Divinópolis concentra a maior parte dos criadores na região. De acordo com o diretor do Núcleo Centro-Oeste dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador, são 60 na cidade. Ele afirma que a adesão de novos associados é constante.

“É um setor que está em alta, com adesões crescentes. Somente neste ano de 2016 já foram realizados dez eventos de peso no Centro-Oeste, nos quais os criadores participam de cursos de qualificação onde aprendem tudo sobre a raça”, explicou.

Um desses criadores é Paulo Barros. Ele conta que montou em um cavalo pela primeira vez aos seis anos de idade. Aos 15, passou a criar o animal. “Gosto de usar o cavalo em minhas horas de lazer, para poder descansar e combater o stress do dia a dia. Montar em um mangalarga e sair passeando pelas estradas e pelos campos”.

A raça de porte médio é brasileira e surgiu há cerca de 200 anos. Dom João VI trouxe para as terras tupiniquins os melhores cavalos de elite da Europa. Cruzados com os animais locais, eles começaram a definir o mangalarga marchador. “Um cavalo inteligente e fácil de ser adestrado”, acrescentou Paulo.

Em Minas e no Brasil

O mineiro Daniel Borja é presidente da ABCCMM, que tem 12 mil associados em todo o país. “Minas Gerais representa 60% desse total, com 7.200 inscritos. O Estado se sobressai porque nele ocorrem muitas cavalgadas e exposições. Por ser um animal de sela, o mangalarga marchador cai no gosto de todo mundo. Quem o conhece logo o ama de paixão”, pontuou.

A crescente adesão permite que o setor siga pela contramão de vários outros segmentos econômicos. “São 200 novos associados por mês. Desde o início de 2016 até este mês de julho, já foram realizados mais de 100 leilões. A raça conta com plantel de 600 mil cabeças no país”, detalhou.

Dicas de negócio

O preço de um mangalarga marchador varia de acordo com a linhagem e títulos que o animal conquistou. Exemplares destinados ao uso em cavalgadas podem ser adquiridos por preços com os quais é possível comprar motocicletas e até carros. “Existem premiações que são concedidas a animais desde os 14 meses de vida até a idade adulta. A diferença de preço não está na idade, mas na qualidade genética. Não existe uma tabela, como ocorre com o animal bovino. Um cavalo pode valer de R$ 3 mil a R$ 3 milhões”.

Na maioria das vezes, quem começa um empreendimento com mangalarga marchador compra primeiro potros. Isso porque os preços de animais mais novos costumam ser mais acessíveis. “Um potro custa entre R$ 7 mil a R$ 30 mil. Quem adquire o animal mais novo pode apostar no desenvolvimento dele e lucrar com isso depois. Você compra um por R$ 30 mil e depois vale R$ 900 mil. É um investimento em longo prazo”, ensinou.

No leilão que concentra animais com até 18 meses, foram 45 oferecidos lotes no primeiro semestre de 2016, sendo que os preços variaram de R$ 15 mil a R$ 30 mil. Somente em 2015, foram mais ou menos 50 leilões do tipo.

O preço aumenta à medida que o animal conquista títulos. A principal dica, segundo o especialista, é consultar um assessor de vendas do mangalarga marchador antes de investir. “Alguém que saiba e entenda sobre a raça, que poderá orientar o novato no ramo, para que não compre o que não precisar comprar”, acrescentou.

Reprodução do G1 Centro-Oeste de Minas, autor Ricardo Welbert

Deixe o seu comentário


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo Baixar App
Baixar App