Para uma melhor experiência, altere seu navegador para CHROME, FIREFOX, OPERA ou Internet Explorer.
  • Seja Bem-vindo(a) ao MeuHaras!
Placentite em Éguas: a causa mais comum de aborto no final da gestação

Placentite em Éguas: a causa mais comum de aborto no final da gestação


Placentite em Éguas: a causa mais comum de aborto no final da gestaçãoA prenhez das éguas geralmente é motivo de alegria e satisfação dentro de um haras, mas também de preocupação por conta das possíveis afecções ocorridas neste período.

A Plancentite, por exemplo, é uma delas. Trata-se de uma inflamação da placenta e que está diretamente relacionada a inúmeros casos de abortos, natimortos ou partos prematuros.

Antes de ficar por dentro de maiores detalhes, importante destacar que a placenta tem como objetivo promover o equilíbrio metabólico e o fornecimento de nutrientes da mãe para o feto através do cordão umbilical, numa relação de troca.  

Presente em aproximadamente 30% das perdas gestacionais, a placentite pode ter causas variadas, como traumas na região, irritações, ou infecções causadas por bactérias ou outros microrganismos.

Essa enfermidade promove uma série de reações, comprometendo o feto, geralmente por asfixia e infecções.

Os sinais mais comuns apresentados pelas éguas portadoras desta afecção são: mamas acentuadas, lactação precoce, sendo que ainda há possibilidades de que nenhum sinal seja apresentado, o que dificulta qualquer tratamento em tempo hábil.

Por isso é muito importante que todos os animais em período gestacional sejam submetidos a exames periódicos de ultrassonografia transabdominal ou transretal, de modo a detectar possíveis anormalidades no feto, inflamações ou o comprometimento das funções placentárias, sendo estas muitas vezes sutis e de difícil visualização.

É crucial, portanto, que o profissional responsável por tais exames tenha amplos conhecimentos sobre a anatomia do útero e região, além de operacionalização dos exames por imagem. O diagnóstico definitivo pode ser realizado, por fim, através de um exame histopatológico.

A ultrassonografia e palpação transretal tem sido duas grandes aliadas no processo de identificação dessa anomalia.

Por isso, você, médico veterinário não pode mais perder tempo! Saiba como garantir diagnósticos rápidos e precisos de forma segura e eficiente.

Basta conferir: Palpação Transretal e Ultrassonografia na Reprodução Equina

Fonte: Informativo Equestre





Fonte

Pesquisar




Comentários

Topo Baixar App
Baixar App
>